Aborto farmacológico usando Mifepristona e Misoprostol para gravidezes ≤ 12 semanas
Aborto farmacológico usando apenas Misoprostol para gravidezes ≤ 12 semanas
Resulta num aborto completo em 95-98% dos casos. 
Resulta num aborto completo em 84% dos casos. 
A taxa de gravidezes que prosseguem é extremamente baixa, menos de 0,5% dos casos. 
A taxa de gravidezes que prosseguem situa-se entre 4-6%.
Os efeitos secundários como náuseas, vômitos, dores, diarreia, tremores são menos intensos. Os efeitos secundários como náuseas, vômitos, dores, diarreia, tremores são mais intensos.
O aborto geralmente ocorre entre 3 a 5 horas após o uso de misoprostol.
O aborto geralmente ocorre entre 5 a 7 horas após o uso de misoprostol.
A Mifepristona é mais cara e geralmente não está disponível nos países onde o aborto está legalmente restrito. O Misoprostol é mais barato e está disponível em muitos países para diversos usos (úlceras, artrite, prevenção de hemorragias após o parto) sendo por esse motivo mais fácil de obter.
Ambos os medicamentos estão bem estudados para abortos no primeiro e segundo trimestre. O Misoprostol está bem estudado para abortos tardios no primeiro trimestre e para abortos no segundo trimestre.
Não há evidência que a exposição à Mifepristona durante a gravidez resulte em malformações do feto no caso da gravidez continuar.
 
A exposição ao Misoprostol durante a gravidez tem sido associada a um aumento do risco de malformações do feto. O número de casos associados com a exposição durante a gravidez é baixo (menos de 10 malformações por 1,000 nascimentos expostos a misoprostol in utero).